Comparte :
Compartir
Boletín Quincenal desarrollado por INNOVA . Powered by REDEM  -   2011
Nombre:
E-mail:
Comentarios:
Comentarios
50%  descuento
por lanzamiento
Comentarios:
NUEVA  CONVOCATORIA
Boletin REDEM N ° 92     -    31 de Mayo  del 2011
DINÂMICA DA EDUCAÇÃO DESAFIADORA
Inicio
6 de Junio
III Edición
Os tempos modernos exigem alterações do sistema educacional e mudanças atitudinais  no relacionamento humano. Dessa tomada de decisão depende a sobrevivência do Planeta Terra.

Diariamente assistimos a alarmes de renomados cientistas prevenindo-nos da iminência de catástrofes apavorantes, que podem aniquilar  a vida sobre a Terra.

A caminhada humana apresenta-se nebulosa  e contaminada por vírus da ânsia de poder, da ganância de possuir e do jogo da corrupção, coligados a  "apoltronados", indiferentes, apáticos,  inúteis, violentos, etc.

As ameaças denunciadas preocupam. A Humanidade sustenta-se ao relento da segurança. O medo apavora.

Estamos cientes e conscientes da realidade dos desencontros, guerras e  assassinatos, denunciados, diariamente, pelos meios de comunicação? Para muitos, a situação periclitante permanece incontrolável.

Alegam que o problema reside na educação, que a família e a escola situam-se "ausentes" do campo educacional.

A realidade parece manifestar-se  clara. Pretendemos educar nos moldes de décadas anteriores.

Torna-se evidente que a criança e o jovem modernos vivem em outras esferas. O relacionamento e a evolução assumem diferentes dimensões.

A  "era frutífera" da predominância da imposição, do autoritarismo através do poder, de ameaças, do medo fantasioso, etc parece  direcionar-se , lentamente, para o estágio final.

O clima educacional impositivo, desqualificador, impregnado e dominado por estímulos negativos, forma muitos seres humanos carentes de identidade.

O educando, nesse contexto, pode  assumir uma identidade sem conscientização, oriunda do educador que, muitas vezes, determina o modo de pensar e de sentir, e o discernimento entre o certo e o errado.

A identidade torna-se  construtiva e equilibrada, quando o educando interioriza os princípios básicos como verdadeiros, e assume os valores sustentado por  decisão pessoal.

A ausência do educando nos procedimentos da família e da escola na seleção das decisões a seguir, e a distância  do educador amigo como facilitador das melhores escolhas, desenvolverão empecilhos  para a evolução intelectual e emocional.  A permanecer  tal situação, o retrocesso na convivência  humanizada gozará de  campo aberto e sem  limites para  evoluir.
A manutenção do poder  só é possível através dos paradigmas externos. O uso do imperativo do verbo determina a submissão nem sempre racional do educando.

O BULLYING origina-se na dinâmica interna da família. A técnica geradora de sucesso sustenta-se na visão crítica negativa de erros e defeitos do educando. O negativismo atinge à comunidade e a todos os campos da convivência  humana, protegido pelo rigorismo condenatório de "juízes" implacáveis.

O uso abusivo de estímulos negativos implanta clima  educacional ácido,  insuportável para àqueles que convivem no meio  ambiente.

A gravidade do problema reside na submissão e adaptação do educando às determinações do educador.

Nesse clima predomina a carência de afeto  e a família não sente  e não  demonstra a importância de cada integrante  na convivência diária.

O educando dirige-se à escola carente de aconchego e de vínculo afetivo. Está  ciente de que  terá atenção se provocar desordens, porque na família, os pais  se  preocupam com ele, quando contraria determinações impostas.

A discordância entre o falar e o agir dos pais cria referenciais negativos. Os modelos marcam, positiva ou negativamente, os filhos e os educandos.

Modelos alienados da realidade objetiva podem provocar distâncias alienantes na família, criando um inconsciente coletivo familiar contraditório. A convivência conflituosa cria muralhas e grades, que impedem encontros amigos.

O consumismo é um deus desastroso.  A ânsia neurótica de aquisição de bens materiais transitórios propaga-se como fonte de felicidade.
A submissão aos ditames  da moda escraviza e alastra  ansiedade na conquista das mais recentes criações.

A superproteção pretende congregar  "energias afetivas"  com fins educacionais. Na realidade, desqualifica iniciativas e inibe as potencialidades.

A intolerância desagrega a família e promove conflitos sociais se for sustentada, principalmente, pela violência física ou psicológica.

A angústia existencial cria espaços vazios. A ocupação desses espaços é importante, porque "outros"  podem invadir o território do educando e criar situações conflituosas e violentas.

O vazio não produz significado transcendente. E o educando carente de significado transcendente torna-se  objeto  de fácil manipulação.


   Por: Antônio Luiz Bianchessi
            Consultor REDEM en Brasil 
Nombre: Benedicto Dutra
Email: [email protected]
Mensaje: Em países como o Brasil temos de educar desde a primeira infância. A televisão está assumindo o vazio. A população se compraz com programação de baixo nível com tudo de ruim que os humanos são capazes. Meu site: vidaeaprendizado.com.br