Boletín Quincenal desarrollado por REDEM . Powered by PUBLIGRAFICO Design     -   2010
31 de Enero del 2010
DINÂMICA EDUCACIONAL II



BOLETÍN  REDEM
Esperamos  que a exposição dos estímulos positivos condicionais e incondicionais faça parte integrante  do reforço para avanços pacíficos na conquista de harmonia e paz na  família, na escola e na sociedade..

    Sustentado  por experiências positivas no trato de seres humanos nos diferentes campos de nossa convivência, proponho-me a apresentar os dois itens finais para complementar a matéria dos estímulos.

    Para aclarar  possíveis dúvidas a respeito de inovações educacionais, podemos afirmar: 1)  A sociedade moderna girou 380 graus. 2)  A filosofia e os valores da juventude atual são diferentes e, às vezes, opostos àquilo que lhe transmitimos. 3) Os educadores de séculos passados foram excelentes na época. Meu pai  bateu-me muito quando criança. Com tais valores pretendia provar amor aos filhos. Sustentava-se na sentença: “quem ama os filhos não poupa a vara”. 4)  Para a maioria dos jovens, a época da imposição, violência, restrições, etc. já foi ultrapassada. 5) Educa infinitamente mais um abraço afetivo, amoroso  e sincero dos pais, que 500 chicotadas. 6)  Se não formos criativos, nossos filhos, talvez, não sobrevivam ao grave impacto do aquecimento global. 7) Com sua intuição crie nova modalidade de viver, de  conviver e  de servir. 8) Se pretendemos salvar o planeta, lembremo-nos que a família é o núcleo primário da sobrevivência da vida.

    Complementando a sequência numérica anterior, apresentamos:

3)    A terceira fome psicológica, a “ânsia de ter”.    
                                   
Não saciamos a fome de ter: a) quando somos insaciáveis. Nunca possuiremos o suficiente para permanecer sem a angústia da insatisfação. b) quando  possuímos menos que o necessário para viver seguros e sem perspectivas de melhorias  futuras. c) quando  alimentamos sonhos fantasiosos de posse de bilhões em fortunas.

    Libertamo-nos da neurose quando possuímos o necessário para viver seguros e batalhar para  assumir posições melhores. As recompensas acontecerão.

    Lembro-me da alegria que  invadiu meus sentimentos quando me solicitaram o documento do meu primeiro carro. E quando recebi a escritura definitiva de minha primeira  casa... As palavras  são insuficientes para  expressar aquilo que sentimos. 

Ares de importância social  apropriaram-se  de minhas emoções. Que bom seria se  a humanidade sentisse as vibrações que podem invadir  os sentimentos mais íntimos de cada um e o entusiasmo que despertam para superar desafios em defesa de algo que lhe pertence.

    Para finalizar o tema das carências do ser humano, apresentamos:

4)    A quarta fome psicológica,  a “ânsia  de pertencer”.

O dinamismo  da ânsia de pertencer caminha célere na busca da formação de uma família, de um time, de emprego em uma empresa. A satisfação no emprego colabora fortemente para a boa convivência dos humanos.

A realização do  ser humano  por pertencer a uma entidade, desperta a sociedade para valores muitas vezes, desconhecidos.
Sentimento de  integração e de orgulho são fatores importantes na superação de desafios. Essa atuação espontânea injeta ânimo e progresso na produtividade.

Quando você recebe uma foto  a primeira busca restringe-se à sua real presença. Faz comparações para conferir se  sua fisionomia está conforme as expectativas. Vibra se o resultado superou o imaginário.

A evolução das potencialidades reside na capacidade humana de mudanças do sistema de convivência educacional.

O reforço positivo de repetição de comportamentos válidos e éticos, promove a valorização do ser humano como pessoa e profissional.
A capacidade de amar e de expressar através de palavras e gestos aquilo que sentimos de grandioso e belo a respeito do outro, é atitude que dignifica e enobrece nossa existência.

Na  prática, como seria promover estímulos positivos nos diferentes campos de nossa convivência humana?

A incapacidade de expressar sentimentos e valorização do ser humano, que realiza atos  que beneficiam à comunidade  sofre de qualificada pobreza interior.

De outro lado, a pobreza interior distancia as pessoas e proclama a construção acelerada de muralhas e grades. Nesse contexto, prevalecem  as críticas negativas com dinamismo repetidor de atos condenados, mas reforçados.

Já analisamos e avaliamos o poder  dinâmico e destruidor dos estímulos negativos. Enfrentamos desafios que, muitas vezes, abalam resistências sólidas que nos protegem.

Para superar tais agressões, propomos:  1) Eliminação, embora gradativa, dos estímulos negativos. 2) Adesão total e generalizada  ao emprego dos estímulos positivos em todos os setores da convivência humana.  A convicção e a certeza da vitória facilitam o empreendimento e a superação dos desafios.

               PONTOS PARA REFLEXÃO.

1)    Dê a si mesmo estímulos positivos.

Mentalize suas realizações  positivas através das emoções e dos sentimentos. Sinta-se feliz. Celebre a alegria de viver. Dê a si mesmo os parabéns Sinta-se importante na convivência diária. Tente passar suas conquistas aos companheiros, construindo pontes que facilitem encontros.

2)    Dê estímulos positivos a quem  merece.

  Em todos os recantos da convivência humana sempre  haverá companheiros  carentes  de valorização, reconhecimento e afeto.
Seja pródigo nos estímulos. A honestidade  é base de sustentação da harmonia da convivência humana. Desqualifique estímulos falsos. A mentira não faz crescer.
Portanto, o estímulo positivo sustenta-se  da verdade.

3)    Aceite estímulos positivos.

Com total abertura emocional e psicológica acolha os estímulos positivos. Invista pesado nas mudanças radicais da convivência humana.
Os estímulos positivos propagam encontros amigos e proclamam o respeito e a união.
Seja alegre, sorria, expresse  satisfação pelo reconhecimento dos companheiros. Aceitar estímulos positivos com simplicidade exige boa dose de humildade.
Sua presença promoverá adesão consciente a uma causa  nobre.O educador pode transformar-se em modelo para os educandos, quando demonstrar sua realização como ser humano.

4)    Peça estímulos positivos que necessita.

Os seres humanos são carentes de estímulos positivos. O meio não favorece a superação
do problema. Muitas vezes, ao contrário, desqualifica a busca saudável para saciar a sede das fomes psicológicas.
    Se o educador não promover estratégias básicas para suprir as deficiências educacionais, os educandos implantarão  sistema “adequado” negativo para suprir a ânsia de aparecer.
    Ex: sinto-me deprimido. Não sou valorizado como ser humano e como trabalhador. Necessito de reforço para meus empreendimentos, etc.
    Julgamos indispensável a união da família para apresentar  ideias em prol da criação de um clima  familiar espontâneo, onde cada integrante vive a liberdade, para expressar  as próprias carências e solicitar estímulos positivos que necessita.

5)    Rejeite estímulos negativos.

A procura, às vezes, neurótica e alarmante de aparecer através de atos condenados  ou condenáveis, comprova a ausência dolorosa de estímulos positivos.
A decisão acertada ou não compete ao educador. Se o educando alerta para a própria presença através de erros e defeitos e o educador esbanja tempo e energia comentando falhas e defeitos...Com certeza  esses procedimentos se repetirão.
Lamentamos o reforço dado aos comportamentos  negativos. Estejamos certos que esses atos vão se repetir, embora tais resultados estejam ausentes de nossas expectativas.
Portanto, seja  seu próprio amigo rejeitando estímulos negativos. Feche  seus espaços vitais e não permita invasões desequilibradas de suas emoções.


                           CONCLUSÃO.

Os avanços científicos e educacionais  exigem alterações no direcionamento do foco educacional. Na quase totalidade dos educadores  permanece a visão centrada em erros e defeitos do educando.
A lente de aumento  desequilibra a objetividade dos fatos e a nitidez da visão. A tendência acentuada é  de ampliar a abrangência do foco, para captar subsídios que comprovem a veracidade da existência de erros e defeitos.
Nesse contexto, a ânsia  de poder condenatório amplia as dimensões das garras do impositor.


Nombre:
E-mail:
Comentarios:
Comentarios
   Por: Antônio Luiz Bianchessi
            Miembro Consultor REDEM en Brasil 
Nombre: maria lucia rosa de carvalho ramos alves
E-mail: [email protected]
Comentario: O estímulo positivo é importantissimo para o ser humano se renovar e crescer.
Devemos investir nos bons relacionamentos ,na convivência humana.

COMENTARIOS:
Nombre: Carlos Morais
E-mail: [email protected]
Comentario: É muito bom ouvirmos o que gostaríamos de praticar, mas nem sempre conseguimos.
Parabéns pela lição.